Notícias

Movimentos em defesa da democracia e do respeito às eleições se fortalecem

Movimentos em defesa da democracia e do respeito às eleições se fortalecem

05/08/2022
Fonte: RBA
Compartilhar: Whatsapp

“Carta aos Brasileiros” que será lida no 11 de agosto passa de 740 mil assinaturas. Entidades do agronegócio aderem a manifesto da Fiesp, já assinado por Febraban e centrais sindicais

Depois do episódio em que Jair Bolsonaro atacou o sistema eleitoral brasileiro, a democracia e ministros das altas cortes brasileiras no dia 18 de julho, diante de embaixadores de dezenas de países, se espalharam avaliações de que havia sido um grande erro, junto a relatos de bastidores em que diplomatas se diziam estupefatos. Desde então, manifestações e cartas em defesa da democracia e da paz, incluindo entidades e personalidades até então silenciosas, se disseminaram pelo país.

Na tarde desta quinta-feira (4), a Carta às Brasileiras e Brasileiros em Defesa do Esatado de Direito ultrapassou as 740 mil assinaturas. Além disso, entidades do agronegócio e da indústria médica se somaram ao manifesto em defesa da democracia articulado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O documento está assinado por mais de 100 entidades. A entidade empresarial desde janeiro deste ano é presidida por Josué Gomes da Silva, considerado um democrata por Luiz Gonzaga Belluzzo, por exemplo.

Anúncio de página inteira antecipado pela CNN Brasil é previsto para ser publicado nos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e Valor Econômico nesta sexta-feira (5). Nele, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos) e Todos Pela Educação aderiram ao manifesto da Fiesp já assinado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), 11 centrais sindicais de trabalhadores, União Nacional dos Estudantes, USP, Unesp, entre outras instituições.

Contra “divisionismos que ameaçam a paz”

Uma visita de Bolsonaro à Fiesp, prevista para o próximo dia 12, havia sido antecipada para o dia 11 a pedido do presidente. O 11 de agosto será o dia da leitura da Carta aos Brasileiros na Faculdade de Direito da USP, no Largo São Francisco. E também de manifestações do movimento nacional “fora Bolsonaro”, composto por dezenas de movimentos sociais. Informado de que seria convidado a assinar o manifesto da Fiesp, Bolsonaro desistiu de ir à federação. Organizações da sociedade calculam que quanto maior a mobilização em defesa da democracia, maior a chance de os atos golpistas convocados por Bolsonaro para 7 de setembro esvaziarem.

Agronegócio

Em outra manifestação impactante nas hostes bolsonaristas, a Coalizão Brasil, Clima, Florestas e Agricultura, que reúne 300 companhias ligadas ao agronegócio, indústria e varejo e entidades ambientalistas, divulgou nota nesta quarta-feira (3) em defesa do resultado das eleições.

“O futuro que queremos depende do diálogo entre divergentes e do respeito ao resultado das eleições. Este deve ser um ponto pacífico entre todos os atores que se dispõem a representar a sociedade brasileira à frente de um Estado democrático de Direito”, afirma a Coalizão.  “Em seu alicerce estão eleições limpas, onde se manifesta a vontade popular” .

O comunicado destaca ainda que, nos últimos 37 anos (portanto desde 1985, último ano do governo do general João Baptista Figueiredo), o Brasil se dedicou a “edificar um regime cidadão de instituições sólidas e calcado no respeito à lei e no equilíbrio de direitos e deveres”.